Plataforma digital de comunicação multimédia para a promoção e divulgação do concelho de Alijó. Espaço cívico de debate, de informação, de opinião plural e de defesa dos interesses concelhios.

A importância da Geologia no concelho de Alijó

1 1.284
Ana Marta Gonçalves

Natural de Alijó. Geóloga

+ artigos

Geologia, do grego γη- (geo-, “a terra”) e λογος (logos, “palavra”, “razão”), ciência que consiste no estudo da Terra, dos materiais que a formam e do modo como estão distribuídos, dos acontecimentos que nela ocorreram e das transformações evidenciadas ao longo dos períodos geológicos.

Parte do concelho de Alijó insere-se no Parque Natural Regional do Vale do Tua (PNRVT), criado em 24 de Setembro de 2013, apresentando entre outras, como forte atração, a sua geologia. A paisagem é diversificada e marcada por serras, planaltos e vales encaixados, nomeadamente os dos rios Douro, Tua e Tinhela. Esta geomorfologia bastante variada, resulta das características estruturais e litológicas específicas e, inclui vales profundos e vertentes declinosas, principalmente no fim dos troços dos rios Tua e Tinhela, bem como afloramentos rochosos imponentes (cristas de quartzito) e zonas de planalto (com granitos), e com relevo pouco acentuado (xistos). Isto é, as principais causas da diversidade da paisagem resultam da variedade de estruturas geológicas e dos tipos de rochas.

A Vila de Alijó localiza-se no contacto entre dois tipos de rochas, as graníticas (granitos com duas micas) e as metassedimentares (vulgarmente conhecidas como xistos) (Figura 1). Além dos afloramentos que podem ser observados na região, é possível encontrar estes dois tipos de rochas como material de construção, fundamentalmente, nos muros e paredes das casas, igrejas e monumentos que ocorrem no município de Alijó.

Fig.1

No que diz respeito à ocorrência de mineralizações metálicas no concelho de Alijó, este é ou foi importante, pois existiram várias explorações de volfrâmio e estanho a partir de filões de quartzo, de aplitos e de pegmatitos (constituídos essencialmente por quartzo, feldspato e micas) encaixados nos granitos de duas micas (Neiva, 1995). No concelho existem cerca de 15 ocorrências, de pequena dimensão, de volfrâmio e 9 ocorrências de estanho, distribuídas nas localidades de Favaios, S. Mamede, S. Mamede Ribatua, Vila Verde, Vila Chã, Sanfins do Douro, Vilar de Maçada, Alijó e Pegarinhas (informação acedida em http://geoportal.lneg.pt/geoportal/egeo/bds/siorminp/ a 13 de Fevereiro de 2018).

Ainda que o tema Geologia seja pouco conhecido pela população, à qual eu pertenço como pessoa e de coração, torna-se, portanto, indiscutível a sua importância indubitável para o concelho de Alijó, onde a qualidade da sua maior fortaleza, as vinhas, também depende das particularidades da rocha onde se encontram enraizadas, os xistos, pois sem eles não havia vinhos finos.

Referências Bibliográficas
Neiva, A.M.R. (1987). Geochemistry of Greisenized Granites and Metasomatic Schist of Tungsten-Tin Deposits in Portugal. In: Helgeson H.C. (eds) Chemical Transport in Metasomatic Processes. NATO ASI Series (Series C: Mathematical and Physical Sciences), vol 218, 681-699. Springer, Dordrecht. DOI 10.1007/978-94-009-4013-0_26

Neiva, A.M.R. (1995). Distribution of Trace Elements in Feldspars of Granitic Aplites and Pegmatites from Alijó-Sanfins, Northern Portugal. Mineralogical Magazine, 59 (394), pp. 35-45. DOI: 10.1180/minmag.1995.59.394.04

Moreira, N., Búrcio, M., Dias, R., Coke, C. (2010). Partição da deformação varisca nos sectores de Peso da Régua e Vila Nova de Foz Côa (Autóctone da Zona Centro Ibérica). Comunicações Geológicas, t. 97, pp. 147-162.

Sobre a autora:
Ana Marta Vasques Gonçalves, nascida no concelho de Alijó em 7 de Abril de 1992, licenciada e mestre em Geologia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). Atualmente, estudante de doutoramento no Programa Doutoral em Geociências na FCUP. O tema de tese de doutoramento que está a realizar está relacionado com a ocorrência de mineralizações em volfrâmio (também conhecido como tungsténio) associadas a granitos, no Norte e Centro de Portugal.
Marta Gonçalves conquistou, com apenas 25 anos de idade, o primeiro prémio para jovens investigadores do XI Congresso Ibérico e XII Congresso Nacional de Geoquímica de Espanha, que se realizou de 25 a 28 de setembro de 2017, na Andaluzia.

Comentários
Loading...