Plataforma digital de comunicação multimédia para a promoção e divulgação do concelho de Alijó. Espaço cívico de debate, de informação, de opinião plural e de defesa dos interesses concelhios.

Alijó é pioneiro a fazer um Plano Municipal de Ordenamento Florestal

É uma colaboração que segundo um comunicado da Quercus nasceu “da vontade do Município de Alijó em promover o desenvolvimento regional em segurança e harmonia com a Natureza”.

0 1.072

O Município de Alijó, em colaboração com a Quercus, Associação Nacional de Conservação da Natureza e com a ANESF – Associação Nacional do Engenheiros e Técnicos do Sector Florestal, será o primeiro município português a criar  um instrumento de ordenamento da floresta e do território inovador, que virá trazer maior eficácia na sua gestão. O protocolo é assinado na Câmara Municipal de Alijó, amanhã, dia 20 de março, pelas 16h00.

É uma colaboração que segundo um comunicado da Quercus  nasceu “da vontade do Município de Alijó em promover o desenvolvimento regional em segurança e harmonia com a Natureza”.

Por isso o documento tem como principais objectivos orientadores “garantir a segurança de pessoas e bens através do ordenamento florestal e territorial, prevenindo a ocorrência de incêndios e, no caso de estes ocorrerem, garantir que não se transformam em incêndios de grandes dimensões e causem um mínimo de prejuízos”.

O Plano Municipal de Ordenamento Florestal de Alijó visa ainda “dinamizar a economia local, a qualidade ambiental e biodiversidade, apostando em floresta autóctone e na promoção e valorização do serviço do ecossistema, enriquecendo a paisagem e favorecendo a proteção dos solos e da água”.

O novo plano pretende também “integrar as diversas ferramentas de ordenamento do território, agindo de modo a ser possível implementar no terreno ações concretas que reflitam as politicas municipais de desenvolvimento e que consigam integrar de forma concreta e eficaz os diversos instrumentos já existentes como o PROF, o PMDFCI e o PDM”.

Com este novo instrumento de planeamento será possível recentrar os espaços florestais na atividade das explorações agrícolas, reconstruir um território mais equilibrado e resiliente, reduzir os riscos a que se encontra sujeito, ser mais produtivo e com maior qualidade ambiental“, salienta-se.

Comentários
Loading...