Plataforma digital de comunicação multimédia para a promoção e divulgação do concelho de Alijó. Espaço cívico de debate, de informação, de opinião plural e de defesa dos interesses concelhios.

Cerca de 240 hectares de vinha afetada em Alijó

"As uvas ficaram todas no chão e as hortas estão todas desfeitas. Tenho 69 anos e nunca vi nada assim. Perdi mais de metade da produção".

0 630

O presidente da Câmara de Alijó disse hoje que a chuva intensa e o granizo causaram estragos em 240 hectares de vinha, considerando tratar-se de uma “situação grave” que atingiu o coração do Douro Património Mundial da UNESCO.

Neste concelho do sul do distrito de Vila Real, a chuva forte chegou na segunda-feira acompanhada de granizo, deixando um cenário nas vinhas de folhas esfarrapadas, galhos quebrados e bagos caídos.

Hoje, os serviços municipais percorreram as zonas afetadas e, segundo afirmou o presidente José Paredes à agência Lusa, o primeiro balanço aponta para cerca de 240 hectares de vinha afetada pela intempérie.

Destes, especificou, cerca de 90 hectares foram “atingidos a 100%” e os restantes a “cerca de 50%”.

José Paredes considerou tratar-se de uma “situação grave”, uma “mancha grande de vinha afetada, mesmo no coração do Douro Património Mundial”.

A área afetada corresponde à freguesia do Pinhão e à União de Freguesias de Vale Mendiz, Casal de Loivos e Vilarinho de Cotas, onde a viticultura é a base da economia local, a principal fonte de rendimento dos produtores.

O autarca disse ainda que foram “severamente afetados” cerca de 15 quilómetros de caminhos agrícolas, alguns dos quais estão intransitáveis.

O mau tempo provocou também a derrocada de alguns taludes e a queda de muros.

Esta manhã, em Vilarinho de Cotas, o produtor José Pinto contou à Lusa que estava na vinha quando a intempérie começou e descreveu “cerca de uma hora de chuva intensa e queda de pedras de granizo do tamanho de grãos de milho”.

“As uvas ficaram todas no chão e as hortas estão todas desfeitas. Tenho 69 anos e nunca vi nada assim. Perdi mais de metade da produção”, afirmou.

Pedro Perry passou a manhã na vinha a fazer o tratamento às videiras. Este produtor, também de Vilarinho de Cotas, disse que ainda não calculou os prejuízos. “A minha preocupação agora é tratar e tentar minimizar os prejuízos, depois vamos ver”, frisou.

O presidente da União de Freguesia de Vale de Mendiz, Vilarinho de Cotas e Casal de Loivos, Faustino Moreira, falou “em catástrofe” e produções “perdidas na totalidade em algumas vinhas”.

“Estamos a ver os pontos piores. No geral, o granizo caiu em todo o lado só que há pontos em que provocou mais prejuízos”, explicou.

Fonte: Lusa

Comentários
Loading...