Plataforma digital de comunicação multimédia para a promoção e divulgação do concelho de Alijó. Espaço cívico de debate, de informação, de opinião plural e de defesa dos interesses concelhios.

O Entrudo de São Mamede de Ribatua

0 1.349
Luis Lameiras

Natural de S. Mamede de Ribatua. Deputado Municipal pelo PS

+ artigos

Realizou-se, em S. Mamede de Ribatua, no Domingo gordo e na terça-feira de Carnaval, respectivamente, o “Casamento do Entrudo” e o “Enterro do Entrudo“, uma organização do Grupo de Cantares.

O “Entrudo” em S. Mamede de Ribatua é uma tradição, com particularidades da cultura ribatuense, designadamente o entrudo mascarado, com máscara ou renda.

O desfile percorre as ruas da nossa aldeia, sendo que alguns músicos da Banda Filarmónica, outra das características do nosso “Entrudo” – que vem já de tempos remotos -, acompanham o desfile, executando trechos músicas carnavalescos e os entrudos vão dançando ao som dos mesmos.

O Grupo de Cantares, para que esta tradição não se perca – no espaço e no tempo, bem como nas nossas memórias -, tem promovido prémios para o melhor “Entrudo Tradicional“, o melhor “Entrudo Clássico” e o melhor “Entrudo Inovação“, sendo uma forma de incentivar as pessoas a participarem. Este ano, e pela primeira vez, introduziu-se um tema: “O Casamento do Entrudo“, para enriquecer esta tradição, sem que para isso a mesma tenha sido desvirtuada.

Assim, no “Casamento do Entrudo”, havia vários personagens – inerentes a um casamento -, como por exemplo: os Noivos, o Padre, os Padrinhos, os País dos noivos, e a Menina das alianças, que ao longo do percurso, em pontos previamente definidos, iam proferindo quadras sardónicas alusivas a este “Casamento.”

No que ao “Enterro do Entrudo” diz respeito – uma tradição que se havia perdido há mais de 40 anos e que o Grupo de Cantares recuperou em 2016 -, o mesmo percorreu as ruas da aldeia, incorporado pelo Padre, pela Viúva, pelas carpideiras, que choram a morte do “Entrudo,” por alguns músicos da Banda Filarmónica, que executam trechos musicais lúgubres ao longo do cortejo fúnebre e, também, pela população em geral.

O cortejo fúnebre terminou com a queima do “Entrudo“, que foi preso na ponte sobre a ribeira, que atravessa a nossa aldeia, encerrando, assim, esta quadra carnavalesca.

Comentários
Loading...